O que aprendemos com 20 anos de telemática de empilhadores

A solução de gestão de frotas, Toyota I_Site, foi lançada há mais de 10 anos, mas já trabalhamos com telemática de empilhadores há mais anos: desde 2001. Neste artigo, Hans Larsson (Diretor de inovação estratégica da TMHE), Fredrik Baeza (Gestor de produto conectividade da TMHE) e Axel Wahle (Director de conectividade e digitalização da TMHE) falam sobre o que aprenderam em 20 anos a construir tecnologia de conectividade de empilhadores e como estão a usar toda essa aprendizagem e conhecimento para melhorar a experiência dos clientes, nos dias de hoje.

Conte-nos toda a história. Como começaram com a telemática? 

Hans:Montamos o nosso primeiro empilhador conectado em 2001, colocando-o a operar na nossa fábrica na Suécia. Foi emocionante logo desde o início. Vimos os dados que o empilhador gerou e percebemos de imediato como isto era poderoso, para nós e para os nossos clientes. 

Alguns anos depois, os primeiros empilhadores conectados estavam prontos para operações “reais” num cliente retalhista sueco. Em 2007, crescemos o suficiente para desenvolver uma plataforma dedicada para os nossos empilhadores conectados, e foi então que nasceu o I_Site. Desde essa altura, a equipa de telemática tem vindo a melhorar continuamente a nossa solução de gestão de frotas. 

Talvez a melhor parte da história, seja que o avanço da telemática ainda não terminou. Há desenvolvimentos e tendências emergentes no mundo da conectividade, que estou a acompanhar de perto. Tecnologias como 5G abrem novas oportunidades - é tremendamente emocionante. 

O que pode o I_Site fazer pelos clientes, atualmente? 

Fredrik: Se os gestores de frota desejam fazer melhorias em áreas como a segurança, produtividade oucustos operacionais, eles precisam saber por onde começar e quais os fatores que devem ser observados. Os dados em tempo real são a ferramenta mais poderosa para lhes dar as respostas às perguntas e dúvidas que eles possuem. O nosso sistema I_Site gera esses dados em tempo real. Os sensores no empilhador, transferem os dados para um portal web, por meio da nossa unidade de gestão de dados no empilhador. Nesse portal, o cliente pode consultar facilmente dashboards e gráficos que mostram os estrangulamentos e as áreas de melhoria. 

 

Sem dados, não se pode medir!  

Sem medir, não se pode melhorar! 

 

Além disso, hoje em dia estamos, é claro, a trabalhar mais remotamente do que antes. O I_Site apoia essa mudança nos padrões de trabalho – ele fornece aos gestores do local as informações necessárias para garantir operações eficientes e seguras, mesmo que não estejam fisicamente presentes. 

Porque é que tornaram a telemática standard em vez de ser opcional? 

Axel: Nos últimos anos, demos passos significativos com esta tecnologia, usando a Indústria 4.0 para integrar totalmente a telemática na nossa frota. Agora, vemos isso como uma parte integrante da nossa estratégia e do futuro das operações. 

O resultado do nosso compromisso total com a telemática, é que agora temos mais de 160.000 empilhadores conectados à nuvem, em todo o mundo. Todos eles estão a gerar dados que podem ser usados para melhorar a produtividade, aumentar a sustentabilidade e otimizar o custo de operação. Dados a essa escala são um grande trunfo para os clientes e para as indústrias, como um todo. 

 

 

O que reserva o futuro, em termos de telemática de frotas de empilhadores? 

Axel: Está a crescer, rapidamente. Há cada vez mais clientes a desejar orientar as suas decisões com dados, usando factos reais para apoiar a sua tomada de decisão. À medida que a base de utilizadores cresce, o I_Site também cresce. 

Na verdade, a conectividade tem uma ampla gama de funções. Também é usada para diagnóstico de erros, envio de mensagens para o empilhador ou apoio a uma rotina de manutenção preventiva, para reduzir o tempo de inatividade nas horas de trabalho. 

O nosso grande foco é desenvolver o hardware e o software para melhorar a conectividade entre o empilhador e a nuvem, em termos de volume e velocidade. Também estamos a desenvolver recursos de comunicação nuvem-máquina – tal como o envio de atualizações de software – assim como, conectividade máquina-máquina e até máquina-homem. 

A interface com o cliente é outro tópico em que estamos constantemente a inovar. Continuamos a procurar formas de oferecer acesso mais fácil aos dados, com mais insights e formas de gerir não apenas a frota de empilhadores, mas também todo o relacionamento com o cliente, desde as vendas iniciais até o atendimento operacional diário e benchmarks. 

Há muitos caminhos a seguir e oportunidades a explorar. Em logística, ficar parado não é uma opção! 

 

 
Toyota Caetano Portugal - Empilhadores
Gestão Produto
 
Se está interessado em acompanhar o setor siga-nos nas redes sociais /Subscreva a nossa newsletter:
 
Subscrever Newsletter
Limpar tudo